quinta-feira, agosto 24, 2006

ARISTÓTELES SAI DO TÚMULO

Um apelo ao futuro presidente

Aristóteles Omorris

Serranópolis, Ohio - Depois de escrever estafantes quatro colunas durante a miserável Copa do Mundo naquele país horrendo - mas que com muita justiça e sabedoria me venera -, resolvi tirar merecidas férias. Peguei meu iate, o Tite Nanico, que ficou ancorado no rio Ariranha durante o mundial, e fui curtir a vida em lugares calmos e aprazíveis, como Faixa de Gaza, Líbano, Caxemira, Coréia do Norte, Chechênia, Afeganistão, Iraque e São Paulo.

Claro que o curto período de tempo não foi suficiente para repor minhas preciosas energias. Estava eu a travar um dos meus intermináveis, agradáveis e inteligentes colóquios com o bom ditador da Coréia do Norte - aquele baixinho do cabelo de capacete cujo nome não me lembro - quando o maquiavélico editor deste blog, cujo nome me recuso a pronunciar, obrigou-me a voltar ao trabalho. Bem na hora que o bom genocida iria me servir alguns acepipes de sua criação de bebês, que fica no quintal do palácio.

Mesmo violentando as leis trabalhistas, que me garantem, a cada ano, onze meses de férias e um de descanso, resolvi voltar ao (argh!) Brasil. Afinal, meus conceituados e elíticos leitores estavam tendo lancinantes crises de abstinência devido a minha ausência neste modorrento meio de comunicação.

De qualquer modo, deixo registrado meu protesto e - simultaneamente - um apelo ao próximo presidente (ou ao atual, caso reeleito): nós trabalhadores não agüentamos mais! Que se reduza essa carga horária desumana e cruel. Citando meu exemplo pessoal, enquanto paradigma do trabalhador brasileiro, não suporto mais a rotina de acordar de madrugada, às 13 horas, receber massagens de profissionais tailandesas somente às 16, ter de ir a restaurantes franceses às 20 e me recolher, empanturrado de caviar russo, às 2 ou 3 da manhã. Tende piedade de nós!

Aristóteles Omorris já foi condenado por prática ilegal de vigarice





Principal benefício
obtido pelo
então deputado
Aristóteles Omorris.
E não estamos falando
do tubo, mas do
que se encontra
abaixo dele

Um comentário:

  1. Oi Cabral.
    Obrigado pelo racado deixado lá no Caroço. Andamos meio ausentes da web, mas logo retomaremos o ritmo de antes. Grande abraço.
    Christian Cruz - Editor do Caroço

    ResponderExcluir